Aventuras pela África do Sul – Parte 2 – Cape Town e Franschhoek

panoramica pinguins
Panorâmica da praia de Boulders, onde os pinguins moram
Cape Town 

Vencido nosso tempo de Rocklands, era a vez de explorarmos Cape Town. Mais 3 horas de mão inglesa, quando chegamos em Cape decidimos não usar mais o carro e ficar só de Uber, que era super barato. Pois era um pouco estressante dirigir na cidade com a mão inglesa (rotatórias então, davam curto no cérebro).

Nossa casa foi alugada no AirBNB, bem próximo ao Waterfront, o que nos deixava muito bem localizados para tudo. A casa era maravilhosa, tipo casa de sonhos mesmo, cozinha americana toda em inox, quartos lindos e bem decorados, banheiro de sonho. Proprietários amáveis e atenciosos. Não podíamos ter sido mais bem recebidos em Cape Town. Chegamos e fomos ao Waterfront e Aquário, passear e jantar.

Um conselho que ouvimos bastante foi o de ficar dentro da zona turística, é bem simples de achar essa informação no google e realmente acho importante. Precisamos lembrar que o apartheid ainda é muito recente na África e existem zonas realmente perigosas. Não vimos e nem passamos por nenhum caso em Cape Town, mas ficamos basicamente nessa área. A região do Waterfront é mais do que indicada. Foi a cidade que achei mais casas lindas por preços razoáveis, então, aproveite bem a escolha!

Logo na chegada fomos no WaterShed, uma feira de produtos de design que dá vontade de comprar tudinho, mas é mais caro que as lojinhas normais. Mas tem produtos bem diferentes também. Vale a pena a passada lá.

Ao lado fica o Aquário, que e algo entre um oceanário e um aquário, com vários grandes tanques. As crianças tiraram fotos dentro de um deles que tem centenas de peixe palhaço, viram tartarugas e peixes gigantes. Uma visita cheia de experiências novas para eles.

BKC_0803
Na casa do peixe-palhaço. A carinha deles já diz tudo!
BKC_0824
Um dos tanques
BKC_0836
o túnel de peixes, segundo o Theo
O Waterfront é charmosíssimo, cheinho de restaurantes, lojinhas, lugar obrigatório para turistas e compras de lembrancinhas. E não é perigoso. Nessa região, caminhávamos com tranquilidade, com câmera a mostra e tudo. Mas saindo dessa região, andávamos sem câmera fotográfica e apenas de Uber.

Li muito sobre segurança nas cidades onde passamos. A zona turística de Cape Town é muito de boa, mas saindo dela, cuidado, sem câmeras, relógios, iphones a mostra. Vale a pena o cuidado.

Tiramos a foto clássica da vista da Table Mountain e jantamos lá mesmo, num restaurantinho delicioso. As refeições saíam em torno de 30 dólares para 2 adultos e 2 crianças, com vinho. Ou seja, super barato! Segue esse restaurante.

BKC_0900
Foto que não podia faltar. Emoldurando a Table Mountain.
BKC_0911
Waterfront ao por do sol.
No segundo dia, tínhamos a melhor previsão de tempo, e decidimos então que era o dia da Table Mountain. Nosso plano era subir a pé, com Nina na mochila e Theo caminhando. Quando começamos os primeiros de centenas e centenas de degraus altos, que para um criança de 4 anos era uma pequena escalada cada um, decidimos mudar de planos. O Bruno foi na caminhada e eu subi de teleférico com eles. Foi a melhor decisão pois ele não ia aguentar essa subida. Precisamos lembrar que ele tinha apenas 4 anos.

Caminhada Table Mountain Latitue 22 Africa do Sul
Quando começamos a caminhada.
Os tickets custam em torno de 30 dólares por pessoa, não são baratos, mas valem muito a pena.

Chegamos antes do Bruno, claro, caminhamos e fizemos escaladinhas lá por cima, exploramos, as crianças lancharam e nisso o papai chegou. Juntos e muito felizes por estarmos tendo mais essa experiência, fomos almoçar na lanchonete lá de cima. Sabe o que surpreende? No alto de uma montanha, onde os insumos chegam apenas por teleférico, um restaurante de verdade, com refeições e taças de vinhos e atendendo a milhares de pessoas por dia. E mais, preços acessíveis, nada abusivo pelo lugar onde estávamos. Comemos, com uma deliciosa pipoca doce de sobremesa, passamos na lojinha e voltamos gratos e plenos para casa!

BKC_0965
Vista da trilha
BKC_1000
Nos esperando o papai, tio Purga e tia Lika
BKC_1010
Visual de la de cima
BKC_1019-Edit
Brincando de tal mae tal filha
Assim, no próximo dia, íamos finalmente conhecer a praia de Boulders, que tem a colônia de pinguins. Cedo nos dirigimos para o Cabo da boa esperança, distante cerca de 1 hora de Cape Town. Todos os parques lá são nacionais e pagos. Paramos primeiro no parque do cabo da boa esperança. No caminho, passamos por Simons Town e tivemos que desviar de macacos atravessando a rua. Lá no parque, vimos muito mais macacos e avestruzes. Lá tb venta muito, então leve casaco.

Ao entrarmos no parque do Cabo da Boa esperança, pagamos a entrada e dirigimos mais uns 20 minutos até o cabo. Muitos avestruzes, babuínos de todos os tamanhos um mar revolto e bastante turista. Se for avaliar pelo lado natureza, é bonito, mas nada excepcional. O que faz o lugar se tornar especial é lembrar que aquele cabo faz parte da nossa história também, e tudo o que aconteceu além mar naquela ali naquele lugar. Isso foi muito legal!

Não alimente nenhum daqueles animais. Eles são soltos, livres e buscam seu alimento sozinhos. Não vamos interferir na cadeia alimentar deles, ok? Aliás, esse é um pouco que respeitei muito na África do Sul. Os animais são livres e convivem em harmonia com as pessoas, nessas regiões menos urbanas, você encontra cervos, antílopes, macacos, babuínos, tartarugas, todos livres. E não estamos falando em Safari.

BKC_1033
Paramos nosso caminho para o ilustre morador atravessar a rua!
BKC_1052
Cabo da Boa Esperança!
BKC_1072-Edit
Babuíno lindo que parou para a foto (mas não podemos chegar muito perto)
BKC_1118
Finalzinho da África…
BKC_1105
filhotes de babuínos
BKC_1060

BKC_1040
florzinha de lá
Voltando desse passeio, resolvemos almoçar em Simons Town, numa restaurante que estava como número 1 do tripadvisor e a escolha não poderia ser mais acertada! Lindo, super bom gosto, vintage, com atendimento cuidadoso e comida deliciosa. Chama-se  The Lighthouse Café e recomendo quase como passagem obrigatória fazendo esse passeio!

BKC_1186
Lindíssimo restaurante e a comida maravilhosa!
Ele também não saiu da média dos 30 a 40 dólares para a nossa família, com vinho e cerveja e pratos para as crianças.

E para fechar nosso dia, fomos ver os famosos pinguins. Eu estava mais ansiosa que as crianças.

O pinguim-africano (Spheniscus demersus) é a única espécie dos 17 pinguins conhecidos que vive na costa da África. Parente próximo – são do mesmo gênero – dos três pinguins que moram na América do Sul (o pinguim-de-Magalhães, o de Humboldt e o de Galápagos), o africano quase foi extinto na natureza e hoje é considerado pela União Internacional para a Conservação da Natureza como ameaçado de extinção.

Em 1982, um casal pioneiro de pinguins-africanos foi avistado na praia e adotou o lugar como casa. Desde então, e devido a ser parte de um parque com alta taxa de preservação, hoje eles são em torno de 3000 pinguins.

O ingresso custa 5 dólares por pessoa (crianças não pagam) e pode entrar na reserva. Mas mais uma vez ponto para a África. Você anda em passarelas sobre a vegetação, causando quase nada de impacto sobre ela e os pinguins ficam soltos. Eles são danados, como a cerca é bem baixinha, volta e meia você tem que esperar um pinguim cruzar a passarela ou andar na sua frente. Não é para tocá-los (eles mordem) e nem alimentá-los. O barulho é alto! Dei muita risada ao ver minha pequena de dois anos e meu maior imitando o jeito de andar de um pinguim e fazendo o mesmo barulho que eles fazem!!!  Experiências que espero que eles consigam lembrar alguma coisa (pelo menos tem fotos).

BKC_1266
A trilha onde se caminha para chegar até os pinguins.
BKC_1270
um duplinha linda
BKC_1321
os donos do show
BKC_1306
e a praia que é a casa deles
Esse é um passeio que dá bem para fazer num dia. Cabo da Boa esperança, almoçar em Simons Town e praia de Boulders dos pinguins. E voltar ao anoitecer!

No outro dia, mais lembrancinhas, passeios no centro e Waterfront e bora mudar totalmente de paisagem! Agora era vez de subir um pouco para outra região montanhosa e mais fria, Franschhoek e conhecer as melhores vinícolas da África do Sul!! E depois Safari e Johanesburgo.

Franschhoek

Esse é um passeio que tb dá para fazer de bate e volta de Cape Town, mas Franschhoek é tão linda, tem tanta vinícola, hotel e restaurante bom que vale a penas gastar uma ou mais noites lá! Foi o que nós fizemos! Fica apenas uma hora de Cape Town, mas vá dormir por lá. Não vai se arrepender!

Franschhoek é uma cidade que foi colonizada por franceses huguenotes, refugiados da perseguição religiosa. Eles trouxeram a cultura do vinho e da gastronomia. Hoje, apesar da língua francesa não ser mais falada na região, o vinho e a gastronomia local fizeram com que essa região (que pertence ao município de Stellenbosh) se tornasse a região turística de gastronomia e vinícolas do país. A alta qualidade dos vinhos e espumantes e as vinícolas que têm até 300 anos trouxeram a prosperidade e o turismo.

Ah, lá é uma cidade mais cara de hospedagem, então as coisas estavam fora do que estávamos dispostos a gastar por noite. Procuramos muito por tudo e achamos uma guest house no airbnb (e depois a descobrimos no tripadvisor) que foi uma surpresa deliciosa!  A proprietária é Austríaca, que morou muito tempo na Namíbia e depois constitui família e fez hotelaria na China. Agora comprou uma casa linda em Franschhoek e abriu a guest house. Super bom gosto, cuidado com a preparação do quarto para nos receber, mimos como bombons, garrafa para aquecer água da mamadeira da nina, lenha para a lareira do quarto. Banheira antiga com sais de banho (nem precisa dizer que as crianças piraram né). E o café da manhã. Esse merecia um capítulo à parte! Tudo feito por ela e suas ajudantes, tudo artesanal e cheio de mimos, muffins, biscoitos, iogurte caseiro, waffle com morangos e creme, panquecas, e várias coisinhas como ovos com linguiça feitos na hora. Foi absurdo! Chama-se The Corner House.

BKC_1456
Nosso quarto, já personalizado pelas criancas
mimo pousada
Mimo da pousada
BKC_1459
Jardim da pousada
Na nossas visitas as vinícolas, como tínhamos apenas 2 dias, demos uma escolhida no que visitar. E optamos por Chamonix e Haute Cabriére (especializado em espumantes). A primeira porque sediava um restaurante que chama-se Racine e recentemente foi comprado pelo renomado chef sul africano Reuben Riffel. Agora ele chama-se Reuben’s Franschhoek (ele tem restaurante em Cape Town e alguns outros lugares também).

BKC_1394
Reuben’s
BKC_1400
Mais uma foto do restaurante
reubens
Meu prato de delicioso de carne de porco
BKC_1407
Vinícola Haute Cabriére
BKC_1412
Haute Cabriére
BKC_1439
Nossa degustacao nela
Esta foi uma deliciosa surpresa da África do Sul. Faça reserva porque o restaurante é pequeno e bastante procurado. A vinícola é muito pequena e os vinhos são apenas razoáveis, mas o restaurante é surpreendente. Alta gastronomia, preço bem razoável. Mistura de sabores africanos e europeus super harmonizados e com aparência belíssima. O restaurante em si tb é um charme e o serviço muito atencioso. Fomos com crianças e até o prato kids era especial e elaborado, além de ser muito diferentes de bife com batata frita! Vale muito a ida a ele! E as crianças foram muito bem recebidas, algumas vezes em restaurantes melhores já tivemos caras feias. Depois da refeição, fizemos a degustação de vinhos.

A próxima foi a Haute Cabriére, lindíssima, grande vinícola, especializada em espumantes. Fizemos uma degustação personalizada (era super barata), visita as caves e dá-lhe provar espumantes!

Ah, uma coisa engraçada que nos aconteceu. Para irmos para a primeira vinícola, pegamos um Uber. Da primeira para a segunda, nada de achar Uber! Ai o dono da vinícola Chamonix, gentilíssimo, nos levou em seu carro até a próxima. E de lá, o pessoal da vinícola achou uma van para nos levar pro hotel. É tudo muito perto, cerca de 2km entre elas e o hotel, mas estávamos degustando vinhos o dia todo e não queríamos esse risco! Lá não conte com Uber. Negocie um taxi previamente se seu interesse for ficar degustando vinhos!

Ficamos com vontade de provar o restaurante La Motte, mas como é uma refeição de 5 courses e eles pedem até 4 horas para a refeição, imaginamos, mas só imaginamos (rs) que não iria ser nenhum mar de rosas com as crianças. Em resumo…no way. Mas se você estiver sem crianças, acho que deve ser maravilhoso!

No outro dia passeamos pela feira livre, lojinhas, comprinhas, supermercado. Fizemos uma visita a uma fábrica de chocolate, que na verdade derretem chocolate Callebaut e colocam em forminhas (não vale a pena). Mas a feira foi uma delícia. É dessas feiras que acontecem no domingo.

BKC_1477
Feira local
BKC_1481
Carne seca
BKC_1486
Theo curtiu (ele o pai só)
E então nos preparamos para um dos pontos altos da viagem, o Safari, que ficará para o próximo post!

Bjs e até o próximo!

4 comentários sobre “Aventuras pela África do Sul – Parte 2 – Cape Town e Franschhoek

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s