Destaque

Passo a passo para organizar sua viagem ao exterior sem agência de turismo

Algarve
Foto de nossa última viagem – Algarve, Portugal

E aí você decide fazer uma viagem internacional com sua família, sem agência de turismo, por conta (eu considero que a viagem já começa no planejamento – acho uma delícia) e não sabe por onde começar. Esse post não tem pretensão de ensinar ou falar verdades. É mais para contar um pouco da minha experiência e como planejo as nossas viagens e dos amigos e familiares que gosto de palpitar o)

Claro que como todo mundo eu tenho minha wish list, alguns mais prováveis, outros ainda bem distantes por “n” motivos. Mas e aí, qual será o próximo destino das férias? O primeiro critério é o valor que posso e estou disposta a pagar. Se a decisão for fora do Brasil, será América do Sul ou outro continente? Essa decisão é basicamente financeira. Claro que viagens em euro ou dólar, o investimento é outro.

  1. Aéreo internacional com antecedência

Eu sempre tento usar as estimadas e suadas milhas nessas viagens e como a passagem aérea é o primeiro item a ser fechado, começa a busca. Se o destino é Europa e Estados Unidos, 6 meses de antecedência é sempre uma boa prática. Claro que podem existir campanhas de venda, ofertas de última hora, mas de forma geral, a antecedência é amiga da economia. Já tentei comprar passagens em dinheiro e com milhas com maior antecedência, como 8, 9 meses, mas aí com milhas, acredito que o sistema não libera os bons valores de milhas antes dos 6 meses, pois nas minhas tentativas para os mais variados destinos, é com 6 meses que costuma aparecer as milhas razoáveis para cada destino.

Para compra em dinheiro apenas, antes dos 6 meses já dá para encontrar bons preços, mas no meu caso, procuro tirar o máximo de passagens com milhas e um ou outra com dinheiro (se necessário), então meu prazo é sempre 6 meses. Para a América do Sul, algumas vezes até com 3 meses se consegue bons preços, menos para destinos de neve em julho (para esse, antecedência também é a palavra-chave).

  1. Câmbio favorável e aéreo barato

Alguns destinos apresentam duas boas características: passagens baratas e moeda com câmbio favorável para o nosso lado, é o caso da África. Outros casos você acaba encontrando um dos dois, aéreo caro (Grécia, Tailândia) e custo de viagem terrestre mais alimentação favoráveis. Mas o aéreo acaba pesando, principalmente em famílias como a minha, pois que somos 4, então ainda estou procurando os lugares com aéreo em bons preços e moeda local favorável ou custo de viagem baixo. Esses com certeza serão meus próximos destinos.

Alguns destinos abaixo têm moeda e custo de viagem favorável com relação ao Real, mas o aéreo nem sempre acompanha: Grécia, Leste Europeu, Índia, Nepal, Ásia com Vietnã, Caos e Camboja, Polônia, República Tcheca.

E alguns tem a dupla vantagem, bons preços de aéreos e moeda favorável, como: Marrocos, África do Sul, Egito, México.

E a América do Sul. Aqui temos o Chile e Argentina com custo turista já elevado, que aumentou muito nos últimos anos e os países já conhecidos que ainda mantém bons preços e a moeda desvalorizada, como Bolívia, Peru, Colômbia e Uruguai, que tem lugares lindíssimos e o atrativo de voo curto para se chegar ao destino.

Decidido o destino, agora é garimpar o aéreo. É bom ter uma certa flexibilidade de datas. Sempre tento fechar o período, o mês por exemplo e aí começo a busca pela internet do melhor dia com milhas e preços dentro da minha flexibilidade. O segredo…horas de internet, paciência e busca.

Importante é decidir também a entrada e saída da viagem. Vou para um país só, entro e saio pelo mesmo aeroporto? Ou, como é muito comum na Europa, chego por um lugar, me desloco e volto provavelmente por outro país. Então fecho a entra e saída de viagem e garanto essas passagens. Uma dica legal é entrar e sair por grandes aeroportos, porque aí fica mais fácil conseguir aéreos para este aeroporto ou devolver carro. E considerar como deverá ser a locomoção entre esses pontos.

  1. Passaportes, visto e vacinas

Agora que você já sabe para onde vai, é hora de tratar da tão importante documentação. O que preciso para visitar esse país. Primeiro passo é a corrida ao passaporte para ver o vencimento e os vistos necessários. Tirando a América do Sul, onde a Carteira de Identidade atual com foto recente e suficiente para a viagem, todos os outros países precisam de passaporte. Não deixe para última hora, esses documentos citados aqui, o quanto antes estiverem prontos, mais garantido.

E o próximo é o visto. Segue uma lista anexa dos países onde o visto é necessário para brasileiros.

Concluído Passaportes e Vistos, cheque se o país irá visitar requer alguma vacina especial, como a África que pede vacina de febre amarela com Certificado Internacional. No site da Anvisa, de simples consulta, você consegue ver se o país que irá visitar tem alguma exigência. Consulte aqui.

Existem locais específicos onde você pode obter esse Certificado Internacional, que pode ser consultado pelo site da Anvisa. Dá uma olhada.

 

Roteiro

IMG_2473
Theo ajudando a planejar nosso roteiro

Fechei o aéreo, a documentação e aí?

Agora é hora de decidir o roteiro. Aqui vale desejo, pesquisa, muita pesquisa na net, conversa com amigos. Decidido o país, é pensar quanto tempo se tem e casar com os desejos.

Existem alguns serviços de roteiros personalizados onde pode-se contratar esse tipo de serviço por dia e isso ajuda muito para quem não tem experiência com definir o melhor roteiro, atrações, como se deslocar entre as cidades do roteiro de forma ágil, segura e barata. Eu estou iniciando com essa semente empreendedora, já ela germina. E se você é caçadora de informação na net e fica à vontade com procurar por conta, terá mais essa diversão.

Meus roteiros começam com a definição do não pode faltar e aí busco uns roteiros semelhantes e vou começando com a minha escolha. Importante é ter ideia das cidades de entrada e saída ou pelo menos o país para ir preenchendo os dias com atrações. Claro que destinos únicos são mais simples, aí se pode ir primeiro para hospedagem. Mas no caso de roteiros multi-cidades, ele vem antes das hospedagens. Aqui tento considerar uma antecedência de 3 meses, mas que pode chegar a 1 mês, dependendo da correria (os preços sobrem com menor antecedência, cuidado).

Nesse momento é legal comprar as passagens internas do seu roteiro, principalmente as aéreas pois elas podem representar surpresas desagradáveis nos custos, quando estiverem de última hora.

 

  1. Hospedagem

Com o roteiro fechado, hora de achar as hospedagens. Primeira dúvida, casa do Airbnb ou hotel? Depende. Você irá com sua família, quer ter possibilidade de cozinhar em casa e assim baratear um pouco suas despesas e conseguir fazer uma alimentação um pouco mais equilibrada algumas vezes durante a viagem? Então AirBnb é a sua escolha.

Estou de férias, não quero chegar perto da cozinha? Então hotel.

Aqui a escolha é uma decisão baseada em custo (alugar uma casa e fazer algumas refeições nela será mais barato) x conforto e escolha pessoal.

Eu normalmente fico em casas alugadas quando são 3 noites ou mais, pois posso chegar e me sentir em casa mesmo, cozinhar, descansar um pouco. E quando é mais rapidinho que isso eu prefiro hotel.

Nos dois casos considere arrumação diária (algumas casas oferecem esse serviço), localização, café da manhã, etc.

Independente da sua escolha, procure reviews, sempre uso o próprio AirBnb e o Tripadvisor , além do Booking para buscar referências. Verifique forma de pagamento e dê preferência por aquelas que permitem cancelamento gratuito (nem sempre é tão simples assim achar). Verifique horários de check-in e check-out se atendem as suas necessidades.

  1. Aluguel de carro x transporte público

Nesse ponto sua viagem já está quase toda planejada. Seus aéreos intermediários fechados, faltando algumas poucas definições.  Alugar carro ou usar transporte público? Na minha última viagem tivemos um caso desses. Estava em Portugal, iria pra Espanha e de lá iria embora, sem voltar para Portugal. Alugar o carro em Portugal e devolver na Espanha, inclui uma taxa de retorno, que no nosso caso estava dando 600 euros a mais, só de taxa! Então alugamos o carro em Portugal, devolvemos no finzinho da nossa viagem em Portugal mesmo e sem pagar taxa de retorno. Seguimos para Espanha em ônibus regulares intermunicipais (não tinha trens nesse trecho). E assim optamos por essa boa economia na viagem.

Também considere na sua escolha se a cidade que você vai está bem servida de transporte público, principalmente metrô. Outros cuidados, o hotel cobra para estacionar o carro? Existe estacionamento fácil nas cidades escolhidas? Normalmente isso faz com que você opte por ficar sem carro, principalmente nas grandes cidades.

  1. Hora dos detalhes da reserva aérea: assento, escolha de refeições e programa de milhas

Viagem está quase chegando! Vai viajar com crianças? É muito importante escolher o assento (se sua passagem já permitir) e as refeições. Olhar se o voo escolhido tem 3 ou 4 assentos no meio, pensar em como se acomodarem melhor. O seat Guru é sempre minha referência quando procuro saber características do meu voo. Pega um voo de exemplo e navega nele.

Também é hora de checar se cadastrou seu programa de milhas na sua passagem.

 

  1. Seguro de viagem

Esse item já foi mais dor de cabeça. Hoje em dia, quase todos os bons cartões de crédito internacionais e planos de saúde beneficiam o usuário com seguro de viagem internacional gratuito, desde que a passagem tenha sido comprada com o cartão, ou a taxa das milhas. No caso de Plano de saúde, os beneficiários do plano têm esse direito. Nós estamos optando nas últimas vezes pelo seguro do plano de saúde da Sul América, que é da Mondial. Se eles cobrirem, preencham o formulário e irá receber no e-mail as apólices de seguro. Super simples.

Caso seu plano de Saúde ou cartão não cubram, então é hora de fazer cotações. Mesmo achando um dinheiro gasto desnecessariamente, ele é preventivo e alguns países europeus, exigem que o seguro cubra o Tratado de Schengen, então não tem como fugir.

Agora que sua viagem está planejada, basta esperar e se preparar com bagagens e os cuidados para o embarque, mas isso é assunto para outro post!

Destaque

Crianças viajando desacompanhadas

Post sobre documentação para crianças viajando para o exterior sem os pais

Esse post chega a ser engraçado. Sabe mãe neurótica (como se não fossem sinônimos)? Era eu nesse caso. Para você que ainda não sabe a história, um pequeno recomeço. Nesse ano Bruno e eu fazemos 10 anos juntos! E com isso a vontade de fazer uma viagem só nós dois! Como contamos com dois super avós que nos suportam em tudo, começamos a fazer um plano. Nós iríamos por uma semana para a Grécia, mas nada de Santorini ou os lindos destinos turísticos da Grécia, nosso destino era para escalar, então escolhemos Kalymnos. Depois os pais do Bruno levariam as crianças para Portugal, onde nos encontraríamos todos e seguiríamos viagem juntos, por Portugal e Espanha. Assim juntamos tudo, nossa vontade de passar uns dias sem as crianças e poder escalar muito e a da família de fazer uma viagem juntos por alguns países Europeus.

Os avós chegavam com as crianças por Paris (lembra que as passagens eram com  milhas)? Então, passagem por milhas quase sempre aparecem as deliciosas escalas né. Dormiam em Paris e no dia seguinte pegavam um vôo cedinho para Porto, onde efetivamente começaria a viagem. E nós, os pais, chegaríamos 2 dias depois dele, em Porto.

Aí começa a procura, quais os documentos necessários para uma criança viajar sem os pais? O site da Polícia Federal é muito bom, tem uma cartilha que explica um passo a passo muito claro em quase todo o processo, mas ficou uma dúvida que não consegui resposta. E você precisar, o site com o link da cartilha estão aqui.

Lá do começo, existe primeiro uma possibilidade de já quando faz o passaporte da criança, de permitir a viagem sem um dos pais ou desacompanhada. No nosso caso, os dois precisaram de novos passaportes, pois com tenra idade, a validade do documento é muito pequena, veja aqui por quantos anos vale um passaporte infantil:

Validade do Passaporte

IDADE VALIDADE
1 ano completo a 2 anos incompletos 2 anos
2 anos completos a 3 anos incompletos 3 anos
3 anos completos a 4 anos incompletos 4 anos
4 anos completos a 18 anos incompletos 5 anos
Fonte:  Dúvidas Frequentes — Polícia Federal

Para fazer novo passaporte pode-se escolher entre uma autorização prévia dos responsáveis, que pode ser dada de duas formas:

– A autorização internacional para viajar somente com um dos pais (poderes para o genitor)

– A autorização internacional para viajar desacompanhado ou com um dos pais (poderes amplos)

Agora, os pais podem optar , no momento do pedido do passaporte, em imprimir na página de identificação do próprio documento a autorização, que também constará nos sistemas da Polícia Federal.

Vale lembrar que a autorização valerá por todo o período de validade do documento e não é obrigatória, ou seja, os pais podem optar pelo passaporte convencional onde qualquer viagem sem os dois pais precisa ser autorizada.

Segue o link com essas informações, da própria Polícia Federal.

No nosso caso, desde que esse novo passaporte foi possível, sempre fazemos a autorização parcial, para viajar com apenas um dos genitores, pois assim, se Bruno viajar, eu posso ir encontrá-lo com as crianças, sem precisar de mais documentos. Mas confesso que a segunda autorização, que libera para viajar sem os genitores, me assustou um pouco e não topamos fazer.

Mas ai continuávamos com o problema. Já que esta autorização não estava no passaporte, como faríamos para que eles pudessem viajar com os avós?

Na cartilha tem o seguinte passo a passo (citação da própria cartilha)

“1. Preencher os dados do formulário padrão que pode ser encontrado no portal do CNJ

2.Uma autorização para cada criança ou adolescente.

3.Firma reconhecida em cartório por autenticidade ou semelhança.

4.Indicação do prazo de validade. Caso não seja indicado, será válida por dois anos.

5.Duas vias (uma ficará na Polícia Federal).”

Informações claras e simples. Mas uma dúvida não conseguia responder. E na França, quando eles chegarem lá será que não haverá problema na Emigração Francesa? Liguei na Polícia Federal, no Conselho Nacional de Justiça e não consegui uma resposta firme de como seria lá.

Não consegui nenhum blog ou informação a respeito, aí comecei a ir mais a fundo. Entrando no site da Embaixada do Brasil na França, achei o Formulário de Autorização para Menor viajando desacompanhado bilíngue, Português – Francês e oficial! Então fiz formulários reconhecidos em cartório, conforme mandava a cartilha em Português e bilíngue (Português- Francês). Respondi o questionário bilíngue também nas duas línguas e para ter certeza que ele teria validade jurídica lá na França, mandei fazer apostilamento de Haia nesses formulários. Para saber mais sobre o Apostilamento de Haia, dá uma olhada aqui.

Enfim, para que eles saíssem daqui do Brasil, com os avós, passassem por Paris, embarcassem outro dia em outro aeroporto em Paris e chegassem em Portugal e mais 2 dias em Portugal, mandei fazer dois apostilamentos de Haia (são caros), um para cada filho e fiz 8 de cada reconhecimento em cartório para cada filho e para cada um dos avós. Fiz ao total 16 reconhecimentos de firmas e mais 2 apostilamento de Haia.

Precisava tudo isso? Não, apenas quando nós fomos passar na Emigração Brasileira, no Aeroporto, consegui falar com um agente que me explicou a regra com autoridade de quem conhecia do assunto. A regra que vale é a do país e na saída. Então esses formulários necessários, são apenas 2 por criança, no idioma de origem. Um fica na Polícia e um segue com você (exatamente como estava na Cartilha!). Eu por capricho hoje faria 3 para cada filho, sendo um bilingue, se mais alguma Emigração quiser uma cópia. Mas não precisa sair como essa mãe desesperada aqui e fazer 16 formulários. Acho que valia um comentário no site na Polícia ou algo assim explicando que em caso de entradas e saídas em múltiplos países, vale a saída do seu país e outros não irão questionar, isso me deixaria bem mais tranquila. Meu medo era os avós serem questionados na França por exemplo e não terem toda a documentação correta para apresentar.

Dá uma olhada no tanto de papel reconhecido em cartório que essa mãe maluca aqui fez!

Nova Imagem (2)

Perdi noites de sono com essa preocupação e espero que você não perca e esse post consiga te ajudar!

 

 

Destaque

Chip EasySim4U funciona?

chip easysim4you
Chip da T-mobile que fornece dados em 140 países

Nesse ano Bruno e eu fazemos 10 anos juntos! E com isso a vontade de fazer uma viagem só nós dois! Como contamos com dois super avós que nos suportam em tudo, começamos a fazer um plano. Nós iríamos por uma semana para a Grécia, mas nada de Santorini ou os lindos destinos turísticos da Grécia, nosso destino era para escalar, então escolhemos Kalymnos. Depois os pais do Bruno levariam as crianças para Portugal, onde nos encontraríamos todos e seguiríamos viagem juntos, por Portugal e Espanha. Assim juntamos tudo, nossa vontade de passar uns dias sem as crianças e poder escalar muito e a da família de fazer uma viagem juntos por alguns países Europeus.

Nossos desafios eram: 9 pessoas de 3 pequenas famílias, todas com um pouco de suadas milhas para serem aproveitadas, um destino em comum, crianças viajando com os avós e sem os pais. Como tínhamos aéreos por milhas, dias diferentes para chegar em Portugal e uma mãe (eu) um tanto receosa da chegada sozinha dos meus sogros com as crianças por Paris, comunicação era essencial. Eles podiam precisar falar conosco na emigração, ou na chegada.

Normalmente compramos chip telefônico no país que chegamos. Nesse caso, isso implicava em chegar sem telefone, ir até uma loja local comprar um chip e como eram 3 países teríamos que comprar 3 cartões. Fora o custo, que em média fica em torno de 15 euros por chip com 1G, 1,5G de dados.

Aí encontramos o que parecia se a solução ideal! Só havia blogs falando bem e muitos, mas muitos reviews bons. O chip Easysim4u.

Esse chip pode ser comprado pela internet (se há tempo suficiente para entrega via correios) ou como no meu caso, que não tinha mais tempo, nós ligamos para a empresa e achamos revenda física em Campinas e São Paulo. Optamos por São Paulo e compramos 3 chips. O atendimento para compra foi bom, prestativo, as confirmações todas via email com data de início e fim da viagem, países envolvidos e todas as informações pertinentes a viagem.

Ele é um chip com funciona com voz e dados nos Estados Unidos e dados na Europa, em mais de 140 países. É de uma empresa Americana de nome, a T-Mobile e a internet é ilimitada.

Algumas vantagens de usar esse chip:

  • Sair do Brasil com o Chip em mãos e já ter internet assim que chegar no país;
  • Quando chegar no Destino é só você colocar o chip da Easysim4u em seu aparelho e a internet já estará funcionando;
  • Se for passar por vários países, não precisará ficar trocando e comprando vários chip, pois o mesmo funciona para mais de 140 países.
  • Você terá internet em seu celular ilimitada o tempo inteiro;
  • Conseguirá manter seu número de WhatsApp para se comunicar com mensagens e ligações com amigos, família ou até mesmo trabalho;
  • Conseguirá usar redes sociais: Facebook, Instagram, E-mails, Skype e mais…
  • Poderá utilizar aplicativos de Mapas como Waze e Google maps, que acabamos sendo muito dependentes nos destinos.

Para ver a lista de países onde o chip funciona, clique aqui.

Com relação ao preço. Se compararmos ao valor do Euro, eu paguei para a nossa viagem (18 dias) cerca de 50 dólares. O chip da operadora local em cada país sairia por preço similar, então as escolhas se equivalem.

O grande contra

Em todos os países que fomos: Grécia, Portugal e Espanha, a internet estava sempre como LTE, ou seja deveria ser até mais rápida que 4G. Em todos o celular aparecia como LTE. Mas a velocidade, ah….sabe aquele “bendito” Edge, “E” que aparece no celular lá no interior de Minas Gerais, que demora minutos para carregar uma simples página da internet, quando consegue carregar? Pois é, apesar do LTE, era essa a velocidade que experimentamos nos 3 cartões, em todos os países. Ou seja, não era um celular com problema, era a característica da internet que compramos.

A impressão é que realmente a tecnologia LTE estava disponível, mas havia uma limitação contratual entre a T-Mobile e a operadora local e a velocidade foi restringida.

Conseguir um suporte não foi dicífil, foi via chat (mas usando o wifi no hotel, porque a própria internet do Easysim não carregava a página do chat…rs). Eles foram atenciosos, mas não resolveram, era essa a velocidade à disposição. E eles falam em contrato, que eles garantem pelo menos 2G, mas gente, era muuuuito lenta!

Voltando nos blogs que visitei, todos eles acabavam revendendo ou direcionando para link pago, pois estive nos mesmos países que muitos blogs, como Portugal, vi muita gente falando muitíssimo bem da velocidade em Portugal. No nosso caso era a mesma internet mais do que irritantemente lenta.

Para uso comum de postar no instagram durante o dia ou no facebook, esquece! Só do wifi do hotel/casa mesmo. O que funcionou foi o WhatsApp e waze e google maps, isso carregava (apesar de algumas vezes ter perdido caminho pela demora em carregar).

Em resumo, compraria novamente? Depende. Se fosse para um país só acho que não compraria novamente não. Voltaria pro chip da operadora local, que a velocidade é garantida, apesar da internet ser limitada ao pacote que está comprando. Se for para visitar diversos países na mesma viagem, talvez, porque chegar no país com a internet funcionando e não ter que ficar procurando loja toda vez ajuda. Mas não considero uma internet, considero um eventual whatsapp e waze em caso de necessidade. Você ainda vai ficar naquelas de entrar nos restaurantes e procurar sinal wifi.

Ainda não testei nos Estados Unidos e lá como é T-mobile, acredito que a velocidade e esse limitação não corram, mas é apenas um palpite. Ainda testo e volto pra contar. Já comprei chip da operadora T-Mobile e aconteceu o inacreditável dentro dos Estados Unidos, eu fiquei sem sinal! Comprei um chip da T-Mobile na Califórnia e como viajava bastante nos Estados Unidos, optei por fazer compra de crédito online todas as vezes que fosse para lá. E tinha eleito a T-Mobile.  Na próxima viagem fui para interior da Florida e não havia sinal, nenhum! Achei que era só azar e que a T-Mobile não era forte na região. Próxima foi para Connecticut e também fiquei sem sinal. Enfim, troquei para AT&T e nunca mais fiquei sem sinal.

É isso. Não acredito que fomos azarados e as únicas pessoas a comprar o chip e ficar com essa internet mega lenta, mas não achei mais reviews como o meu e então resolvi remar contra a maré e contar a nossa experiência.

Espero que a sua seja mehor que a nossa!