Destaque

Ilha Grande com bebês e crianças pequenas

Este destino já é um velho amigo e foi vivido em várias fases da vida. Solteira e com amigas, sem filhos e com filhos bebês e pequenos. Tem uma Ilha Grande para cada um, pode apostar.

Desta vez, a ideia é dar força para quem pretende mostrar as lindas paisagens da Ilha Grande para as crianças, pequenas ou não! Fomos a primeira vez com eles em 2016, quando Nina tinha 1 ano e 2 meses e Theo tinha 4 anos. E voltamos agora neste final do ano (2017/2018), com minha menor com 3 anos. Foram momentos e necessidades bem diferentes.

Nas duas vezes, passamos antes em Paraty, sempre linda, sempre encantadora, só para andar nas ruazinhas e conhecer algum restaurantinho.

 

A Ilha é linda, praias desertas e movimentadas (para todos os gostos), muita caminhada, mar verde, mar azul, abundante vida marinha, muita muita natureza!  Mar com onda, mar sem onda, comida boa e barata, comida boa e cara (e comida ruim tb). Eu me sinto alimentando a alma lá!

Como chegar

A Ilha Grande é uma ilha em frente a Angra dos Reis. Angra está há 400km de São Paulo e 300 de São José dos Campos. Só se chega a Ilha Grande de barco, mas existem algumas possibilidades.

Barca:

Em Angra dos Reis, existem barcas da CCR (Concessionária licenciada pelo governo para fazer a travessia), saem do cais do porto, no centro da cidade. Os horários podem ser verificados aqui:

A passagem no início de 2018 custava R$16,00 por pessoa, sendo que crianças até 06 anos não pagam. Esta travessia de barca leva em torno de 1:30 horas e não tem ar condicionado. Então há reclamações sobre o calor. Eu já fiz a travessia de barca há alguns anos atrás e foi bem ok com relação a temperatura. Acho que o que manda é a relação custo benefício do que você está buscando, pois é muito mais barata que os barcos rápidos, mas também mais demorada.

 

Barcos rápidos:

Em Angra, com destino a Abraão, a praia principal da Ilha Grande, existem 2 operadoras de barcos rápidos que fazem o trajeto. Com eles, leva cerca de 30 min e custa R$50,00 por pessoa por perna ou R$90,00 se comprar adiantado ida e volta. Detalhe, nos sites falava de meia passagem para crianças, mas na loja na hora de comprar o ingresso, me falaram que isso não existia. Leve isso em consideração, as crianças acima de 05 anos também irão pagar a passagem inteira!

Estas duas operadoras trabalham em horários e dias diferentes, então dá para casar bem com a sua necessidade.

  • Fast Boat Objetiva – valor R$ 50 – 09h / 10h / 12h30 / 17h (não disponível aos sábados) / 18h30
  • Acquaflex Água Viva (não oferece nenhum horário aos sábados) – valor R$ 50 – 7h (não disponível aos domingos) / 11h30 / 12h30 / 17h / 18h30

 

Onde ficar

Abraão é a praia principal da Ilha, onde tem mercado, farmácia, saem a maioria dos passeios de barcos. Sem crianças eu já fiquei em outras praias, mas as duas vezes que fui com eles, optei por ficar no Abraão, justamente pela infraestrutura. Na ilha toda não entram carros, então lá é na caminhada ou de barco.

Quando a Nina era pequena, procurei bastante por flats, porque sempre primei pela alimentação balanceada, correta e eles eram pequenos (1 ano e 4 anos), principalmente ela em introdução alimentar. Então queria um flat para poder preparar refeições. Para ela eu também levei bastante coisa congelada, pequenas refeiçõezinhas, assim garantia que ela comesse o necessário. Como também não era muito fã do micro-ondas e queria poder cozinhar uns brócolis, por exemplo, eu precisava de flat ou apartamento. Apartamento/casa eu não achei. Achei um único flat, que é esse aqui.

Era no meio do centro, na rua principal, ponto porque descíamos do ap e estávamos no meio de tudo. Mas um ponto muito contra, embaixo havia um restaurante que tocava música alta até mais das 23h, todos os dias. O flat era OK, meio escuro, tinha ar condicionado, mas não estava super limpo. O café da manhã era incluso, não tinha sucos naturais (só suco industrializado e ruim – acho isso o fim se tratando de pousada) e o café era em outro prédio e no último andar. Também não tem nenhuma área comum, então a Nina acordava super cedo e para o Theo poder dormir um pouco, a gente tinha que sair caminhar com ela na mochila na rua. E como chovia bastante nessa época do ano, não era tão simples. Seria bem legal se a pousada tivesse um pouco de área comum (guardei isso para as próximas).

Ou seja, se você não primar por ter uma cozinha a disposição, não fique nesse!

Agora dessa última vez, Nina já estava com 3 anos e poderia bem comer o pf e a comida de restaurantes, então procurei pousada mesmo. Iria continuar no Abraão e optamos por ficar na praia do Canto, uma praia no Abraão mesmo, mas bem no canto direito dela. Então não tinha a multidão do centrinho, mas estava há 5 minutos dele.

Lá tem 3 pousadas na sequência da que achamos a melhor para a pior, Caiçara (a melhor, mas estava lotada), Ancoradouro Inn (a que ficamos) e do Canto Inn (esse tem muitos reviews ruins). Todas têm mais ou menos a mesma faixa de preço, são pé na areia e ficam uma ao lado da outra, no cantinho. Tem mais algumas nessa praia, mas não busquei referências das outras não.

Ficamos na Ancoradouro Inn, ela era simples, mas com café muito gostoso e um atendimento cheio de preocupação, nos sentimos muito bem nela. Recomendo!

Ah, para as pousadas, se você tem 2 filhos como eu, não reserve por nenhum site de busca. Todos saiam bem caros, então liguei e negociei por telefone diretamente com as pousadas, pois muitos aceitam duas crianças pequenas pelo preço de 3 pessoas. Quando se tem crianças, os preços de sites são muito automáticos e sempre altos, ligando e conversando dá sempre para negociar, fica a dica!

 

Onde comer:

Definitivamente e para aquele jantar especial (e mais caro) o restaurante Lua e Mar. Ele fica no caminho da pousada e é bem fora de padrão da Ilha Grande. Parece que algum empreendedor que conhece bons restaurantes, serviço e atendimento que montou lá. Padrão dos melhores restaurantes das cidades. Comemos um peixe com banana maravilhoso!

O que fazer

Passeios

Ilha Grande pode ser sentida de lancha, escuna, a pé ou veleiro, vai da sua disposição e disponibilidade financeira.

Nós gostamos de mesclar. Trilhas e passeios com um pouco mais de conforto. Então todas as vezes que fomos para a ilha fizemos os dois, várias praias atingidas através de caminhada e algumas feitas por barcos.

Passeios de lancha

Desta vez fizemos o passeio de lancha apenas um dia. Eles saem caro, cobram por pessoa, inclusive crianças, pois eles alegam que crianças são uma vida para a capitania dos portos e ocupam um lugar de adulto, então o máximo é negociar um pouco o preço. Mas vale a pena, mesmo com alto preço, porque os passeios são lindos!

Já fizemos vários outros entre eles o da Lagoa Azul, que passa pelas praias Lagoa Azul, Freguesia de Santana e Japariz. Bem gostoso, calmo e curto. Bom se estiver com bebês. Mar protegido e não bate muito.

Também fizemos Meia volta a Ilha, Lagoa Azul, Lagoa Verde, Japariz, Praia do Amor e Praia da Feiticeira. Um pouco mais longo, quase um dia todo. Achei que seria muito cansativo. Rolou, mas é bastante tempo de barco.

E desta vez fizemos Ilhas paradisíacas. Este foi o melhor de todos!  Passou pelas Ilhas de Botinas, Ilha de Cataguás, Ponta da Piedade, Praia do Dentista e almoço no Restaurante La Isla na Praia Saco do Céu. Dos restaurantes de paradas de passeio de barco, esse é com certeza o melhor, comida gostosa, grande, mas bem atendido, preço bom e uma vista linda! Eu definitivamente em futuros passeios, se eles passarem por esse restaurante como parada, será um fator para escolha. Além desse passeio ter sido o mais bonito! Dá para levar bebês de boa.

Ilha_Grande-9974
Aqui teve uma vitória pessoal. Theo ganhando confiança em nadar sozinho no mar. Com esse mar tb, nadar assim é um presente!
Ilha_Grande-9971
Nina não quis ficar atrás e corajosa entrou sem bóia!
Ilha_Grande-9952
E a grande vitóia, Theo saltando com muita autoconfiança.
Ilha_Grande-9826
o mar e as brincadeiras (dá pra ver as lanchas que nos levam pros passeios)
Ilha_Grande-9822
o grande jardim que tivemos nesses dias
Ilha_Grande-0023
Ser feliz despenteia!
Ilha_Grande-0017
e estávamos leves

 

Ilha_Grande-0199
Pier do restaurante La Isla, onde paramos para almoçar
Ilha_Grande-0124
Tinha uma árvore com centenas de lagartas, foi incível imaginar uma árvore de lagartas virando uma árvore de borboletas e a linda trasnformação dessa natureza!

Passeios por trilhas

Fomos para Abraãozinho, Praia Negra, Crena, Praia do Pouso, Lopes Mendes e Praia de Santo Antônio. Essas são todas próximas, curtas caminhadas de 20 minutos. As mais longas são Lopes Mendes e Santo Antônio. Para ir a Lopes Mendes, pode-se ir caminhando ou de barco até a Praia do Pouso e de lá, só caminhada para Lopes Mendes. Para nós, com as crianças pequenas, deu uns 40 minutos de caminhada, pois é uma montanhinha a vencer, mas vale a pena. Não é uma praia de crianças por causa das ondas, mas tem uma faixa de areia enorme bem branquinha e mar azul ou verde, dependendo do dia, lindíssimo.

Ilha_Grande-0350
Praia do Abrãozinho
Ilha_Grande-0331
meus indiozinhos na trilha que caminhavam descalços (menos a mãe de pé de apartamento né)
Ilha_Grande-0314
e quando conseguíamos carregar a Nina,pois ela está na trasnição e quer caminhar o tempo todo!
Ilha_Grande-0252
meu aventureiros chegando em Lopes Mendes

E descobrimos esse ano uma outra praia do outro lado de Lopes Mendes, na mesma trilha, que é a Praia de Santo Antônio. Ela tem a trilha um pouco mais curta que a de Lopes Mendes e achei até mais bonita. Eu gosto de praia pequena, mais recortada, com muita mata atlântica e mar mais calmo. A praia de Santo Antônio é assim e ela foi só nossa naquele dia o))) Se tiver tempo e disposição, vai nas duas!

Ilha_Grande-0293
areia fininha e deliciosa da praia de Santo Antônio
Ilha_Grande-0276
Praia de Santo Antônio com toda a sendo desbravada pelas crianças, que conseguiram chegar nela caminhando

 

Dicas de segurança, o que levar, como ficar por lá com crianças pequenas

Dinheiro –lá não tem caixa eletrônico. A grande maioria dos lugares aceita cartões, mas tem desconto se for a dinheiro. Sempre achamos que levamos dinheiro em espécie suficiente e sempre faltou.  Mas dá para se virar de boa com cartão.

Protetor solar com reaplicação, repelente bom e duradouro e lanternas são básicos por lá.

Um bom tênis para caminhadas (embora os meus insistam em fazer trilha na mata descalços, vale sempre um bom tênis).

Capas de chuva (lá chove bastante).

Uma blusinha de frio (se for inverno uma boa blusa)

Para que vai com bebês e pretende fazer papinhas e comidinhas. A oferta de legumes e fruas é limitada, principalmente no verão com muita gente na ilha, então leve seus brócolis ou legumes e frutas específicas, caso precise. Lá vai achar o trio banana, maça, pera, mas não vai além disso. Na verdade, se for levar papinhas ou pequenas marmitinhas já faça e leve congelada, só garantir um freezer e com isso terá as refeições balanceadas do seu pequeno. Para os maiorzinhos como o meu de 6, aí pé tranquilo, pf de peixinho fresco em todo lugar (uma delícia).

Brinquedos, não levamos quase nada e fizemos muitos! Conchas, pauzinhos, folhas, pedaço de esponja do mar, tudo virava nosso brinquedo e assim viramos aventureiros piratas, pesquisadores do mar, ou princesas construindo castelos. Brincamos como nunca

Ilha_Grande-0365
os brinquedos de uma tarde na praia…conchas, esponjas do mar, pedainho de corais e até tijolos, presentes trazidos pelo mar

Para encerrar nossa viagem, olha o presente que o mar nos deixou ver! Antigamente quando saíamos para o mar víamos dezenas dessas estrelas, mas agora fazia alguns anos que não tínhamos essa graça! Ela foi a atração do nosso dia (meu presente de aniversário), olhamos sem tirá-la do mar, várias outras pessoas vieram conhecer essa linda presença marinha e voltamos com ela para bem longe das pessoas, no mar. Voltamos para casa com essa linda lembrança e o super gostinho de quero mais. Ilha grande tem esse dom, sempre deixa com gostinho de quero mais.

estrela do mar
a essa linda estrela do mar que veio brilhar nossos dias e foi devolvida pro mar rapidinho

Acampando no Parque Nacional de Itatiaia com crianças e bebês

Em fevereiro desse ano Bruno e eu fu fomos para o parque Nacional de Itatiaia comemorar o aniversário dele. Sem as crianças, no final de semana do aniversário dele e  fizemos o que mais alimenta nossa alma…escalar uma via clássica. Fomos para fazer a Chaminé do Idalício e acampar. Era meu presente para ele.

E nesse acampamento, pensávamos o tempo todo em voltar e acampar com as crianças lá, propiciar essa experiência inesquecível que só esse lindo parque pode dar.

Voltando um pouquinho, Itatiaia é um dos lugares mais incríveis para quem ama montanha. É o primeiro Parque Nacional Brasileiro, intitulado em 1937 e fica na Divisa entre Rio de Janeiro e Minas Gerais. E embora o tempo nas cidades esteja com quase 30graus, lá em cima pode ter a certeza que o friozinho chegará aos seus 10 graus a noite. Sem contar a vegetação de alta montanha e as paisagens de renovar qualquer espirito cansado de cidade!

Para inspirar antes mesmo de começarem a ler o nosso relato, dá um olhadinha nesse filme abaixo, quem sabe ele não serve de inspiração para ler o relato todo e já correr pro site agendar seu próprio acampamento!

 

E então planejamos para um final de semana após a liberação da entrada de carros. Já começamos com dicas para quem quer ir lá com crianças pequenas. Algumas épocas do ano, o símbolo do parque – o lindo sapo flamenguinho, está em reprodução. Esse período coincide com verão e época de chuvas. Em 2017, a partir de maio se encerrou esse período e então os carros com ocupantes que irão acampar podem passar e ir até o estacionamento do abrigo. Qual a diferença? Toda…são 4km entre a entrada do parque e o abrigo. Se não for autorizado a entrar com o carro, terá que estacionar na entrada do parque e caminhar esses 4km com as crianças e todo o equipamento. Isso pode não ser complicado para uma família com uma criança ou para pais “sherpa”, ou crianças maiores. No nosso caso, com 2 crianças, acampando em junho (com maior friaca) era bastante coisa e ir de carro até o local faria a diferença.

Turma em Itatiaia
Nossa turma completa, 12 adultos e 6 crianças e bebês.
Outro ponto muito importante a ser considerado quando se pensa em acampar lá. Quando acabam as chuvas e começa a “temporada” de montanha, o resto do Brasil também tem a idéia de acampar lá. Isso torna conseguir vaga de camping e abrigo uma aventura a parte.

O parque é extremamente organizado. Para acampar lá ou dormir no abrigo Rebouças, é preciso fazer reserva com antecedência. Essa reserva pode ser feita com 30 dias de antecedência do dia desejado, através desse site.

Nós tentamos duas vezes antes de conseguir a vaga. Primeiro porque queríamos ir com amigos, mais de 10 pessoas. A capacidade do camping são 16 barracas, sendo que 4 ficam abertas para pessoas que chegam sem reserva, no dia. Exatamente a meia-noite entramos em duas pessoas no site e tentamos fazer a reserva para 4 barracas cada uma. Mas efetivamos nossa tentativa 00:04. Não foi dessa vez, naquele final de semana não conseguimos efetivar a reserva.

Decidimos outra data e exatamente meia-noite da noite de 30 dias de antecedência, lá estávamos nós de novo. E dessa vez conseguimos, reservamos 8 barracas! Parecíamos crianças ganhando um doce delicioso! É sempre assim? Para a temporada de montanha sim (junho a agosto), para grupos maiores, sim. E for fora desses meses ou nesses meses apenas uma barraca, isso não será problema.

E aí começamos os preparativos. Ver quem realmente iria, decidir comidinhas e nos prepararmos para a previsão do tempo (torcendo por tempo aberto).

A previsão era de tempo bom, mas bem frio. Uma dica de boa previsão para lá é o Accuweather, que é bem preciso.

Lá no parque também tem uma pequena estação meteorológica que é muito boa, e sempre vale o acesso para saber quais são as condições atuais de lá. Dá um olhadinha!

Para entrar no parque precisa pagar. Para acampar também. Mas sabe, a gente paga com prazer porque o parque está tão bem cuidado, tão bem controlado. Bom seria se esse exemplo fosse seguido por todos os parque brasileiros! Os preços podem ser checados aqui.

Aliás, esse guia do Visitante do parque do link acima tem muitas informações super úteis. Vale a pena a leitura dele!

Saímos 6 da manhã de São José dos Campos. Para nós são duas horas e pouquinho de viagem.  Na entrada da estrada do parque, num lugar chamado Garganta do Registro, tem uns cafés com pamonha, pão com linguiça, queijos canastra. Enfim, parada quase obrigatória na ida e na volta!

Chegamos 8 e pouco no parque. Para nossa surpresa, o lugar do camping só tem vaga para 4 ou 5 carros. E já estava cheio das pessoas que tinham chegado no dia anterior. Liberaram dois carros para entrar (nós estávamos em 6). Então separamos os maiores carros e colocamos todas as coisas nos dois e algumas mães e as crianças. E o restante das pessoas foram a pé. Na chegada a maior diversão foi escolher o lugar da barraca (o camping muito organizado já tem os lugares pré-definidos e bem demarcados) e começar a montar. As crianças não cabiam em si de tanta felicidade! E como lá tb tem muuuuuita pedra, os pequenos escaladores subiam as pedras o tempo todo. Sempre tinha um pai que precisava estar acompanhando essas pequenas mãozinhas intrépidas.

Escolhemos fazer a base das prateleiras no primeiro dia e a base do Agulhas no segundo.

Para almoço, nós dividimos uma refeição para todas as crianças para cada mãe. Então no almoço do primeiro dia foram iscas de frango à milanesa, penne sem molho, tomatinhos, pepino, cenourinhas. Para os adultos cada casal levou seu lanche.  A caminhada para a base das Prateleiras tem uns 4km, de subidas, descidas e planos. Não é fácil para crianças pequenas. Os bem pequenos foram em mochilas e os maiorzinhos caminharam. Principalmente o final da caminhada é mais complicado, bastante trepa pedra com certa exposição, que requer cuidado com eles e mesmo conosco quando carregamos eles. Mas nada que não dê pra fazer.

Itatiaia2017-5491
Primeiro almoço da galerinha.
Outra opção, que duas famílias que estavam conosco fizeram, para evitar o trepa pedras e ir para a Pedra da Maçã, que tem uma caminhada mais fácil e uma base de pedra grande onde as crianças podem se divertir bastante, mas não tem a vista de cume. As duas opções são ótimas, dependendo da motivação e o que faz sentir mais confortável! Para ir para a base do prateleiras, é legal que sejam pessoas habituadas com montanha (ao menos para ir com crianças) com conhecimento de caminhar com mais exposição.

E o presente foi a vista linda que curtimos lá de cima. O piquenique nas alturas e a sensação de fazer o que mais faz bem para nossa alma!

Itatiaia2017-5539
um dos fotógrafos e malucos por filmes (dá pra notar né).

Itatiaia2017-5582
No meio do trepa pedra.

Itatiaia2017-5589
Pedras a vencer!

Itatiaia2017-5609
descanso merecido

Itatiaia2017-5519
Aproveitando a trilha

2I2A8802-Edit
No cume, deu 5 minutos e cadê o Bruno? Quando vimos, tinha corrido com uma galera que estava escalando a Sexto Sentido, uma via na base das Prateleiras e ele conseguiu uma brechinha para conhecer essa via linda!
Voltamos felizes e realizados (e pra baixo todo santo ajuda né). Ao chegarmos, o friozinho chegou conosco. Quando o sol se põe na montanha, o frio chega muito rapidamente. Então tratamos de agasalhar bem as crianças e fazer a jantinha deles para esquentá-los. E é claro, como bons habitantes das montanhas, dormir com as  galinhas.

Itatiaia2017-5633
Pra baixo todo santo ajuda!
Algumas dicas para quem ainda não acampou com crianças em lugares mais frios. È extramente importante, para todos, um isolante térmico, que é como um colchãozinho, que pode ser enchido com ar ou tem alguns de borracha. Ele tem a função de isolar a friagem do solo e faz toda a diferença! E depois um colchão de ar e cobertores ou saco de dormir. Ah, só o colchão de ar direto no chão também passa a friagem, então com colchão de ar também é necessário colocar um isolante por baixo. Bom saco de dormir e cobertores!

Para roupas, sempre uma segunda pele (aquele minhocão de antigamente também vale), ou as roupas térmicas tipo encontradas ne Decatlhon, que são técnicas e tem a função de manter a temperatura corpórea estável. Aliás, acho essas roupas importantes para se ter. Elas são coringas para inverno e passeio em lugares mais frios.

Por cima das roupas térmicas ou minhocão, um fleece, dependendo do frio um fleece mais grosso e um jaquetão. Mas isso chega a prepara-los até para a neve. Em caso de não ter essas roupas técnicas todas, uma camiseta de manga longa de algodão, uma blusinha de lã, um moletom grosso e uma jaqueta. Para adultos e crianças.

Itatiaia2017-5698
Já agasalhadinho para o frio da noite, brincando enquanto o jantar é preparado.

Itatiaia2017-5710
A mamãe aqui esqueceu luva!!! Foi com meia mesmo. Ela adorou!
Voltando ao jantar, as crianças tomaram uma deliciosa sopa que uma das queridas mães levou congelada para todos! Tomaram, repetiram e se deliciaram! Eles estavam tão entusiasmados com as lanternas, a noite que caiu, as estrelas, a sopa em estilo piquenique, todos juntos na maior festa. Eles estavam suuuper cansados também, pois caminharam muito, então foi só comer e já estavam prontos para dormir. Ah, banho nem pensar, não podíamos esfriar aqueles corpinhos…eles tomariam banho no dia seguinte, quentinhos em casa.

Itatiaia2017-5715
Banquete da noite. Esse é o abrigo do camping, fica protegido do frio e com mesa, um luxo só!
Para os adultos, cada casal novamente com sua comida. Teve cardápio super variado, arroz com vários ingredientes, massa com cogumelos e creme de leite, feijão com linguiça…e um vinho porque o frio estava intenso!

Uma linda noite estrelada, fotos noturnas e cama, porque o dia seria intenso!

2I2A8878
Como presente, noite de lua cheia!
Pegamos 4 graus negativos!!!! Um frio que doía tudo pela manhã! Os pais com certeza sofreram mais o que as crianças a noite, pois ficamos a noite toda preocupados se eles não estavam saindo do saco de dormir, se descobrindo, etc. Eles estavam descansados e felizes!

De manhã, até o rio estava congelado! Uma experiência inesquecível!

Itatiaia2017-5786
Rio congelado

Itatiaia2017-5779
Caminho congelado

Itatiaia2017-5822
e a atração da manhã, gelo por todo lado!
Café da manhã no sol para esquentar do corpo, com alegria de quem via o sol nascer num lugar especial, de quem desfrutava da companhia de amigos com a simplicidade e a grandeza desta paisagem e estávamos prontos para mais uma aventura.

Itatiaia2017-5798
Café da manhã na “cozinha” do camping. Bora esquentar o corpo!
As barracas precisam ser desmontadas até as 9 da manhã, para não pagar mais uma diária. Fizemos isso, colocamos as coisas no carro e então fomos para ponte pênsil, antes da base do Agulhas. A caminhada é bem mais leve, praticamente plana. Mas não por isso menos bonita! As crianças podem caminhar sem riscos, tem uma ponte que eles adoraram. E várias pedras no caminho para escalar. Uma vista bonita entre Agulhas e Prateleiras.

Voltamos fazendo bagunça no carro, comemos lanche na para quase obrigatória da garganta do registro e viemos pra casa de alma refeita. E já pensando quando e onde seria a próxima aventura.

Itatiaia2017-5935-Edit
Carinha de realizados no segundo dia nesse paraíso!
Aos amigos que tornaram essa viagem inesquecível: Luka, Eduardo, Purga, Lika, Ciça, Júlio, Camila, Shibas, Alvadi e Taciane e as crianças que foram a motivação desse lindo encontro: Theo, Nina, Alécia, Sofia, Léo e Pedro…obrigada por tudo!

 

Itatiaia2017-5617-Edit
Família unida na base das Prateleiras

Itatiaia2017-5615-Edit
Um pouco da paisagem da base das Prateleiras

Itatiaia2017-5646
Bruno na trilha com os pequenos

Itatiaia2017-5654
Momentos na linda trilha

Itatiaia2017-5679
Alguem capotou na volta

Itatiaia2017-5666
Theo e Leca aprontando

Itatiaia2017-5880
Ponte da trilha das agulhas

Itatiaia2017-5881
Nina na ponte

Itatiaia2017-5883
Ponte do Agulhas

Itatiaia2017-5860
Theo e Leca

Itatiaia2017-5841
Ponte de saída para trilha do agulhas

Itatiaia2017-5801
Mama 🙂